Alô povão, agora é sério! E aí, como está sendo viver com a incrível descoberta do último post, de que tudo é ritmo de festa e melodia também?

 

Espero que tenha te ajudado a apreciar um pouco mais a barulheira que seu vizinho de cima faz, arrastando os móveis pela casa todo dia de madrugada! Ele também gosta de silêncio e paz, ele também quer sossego. Mas acontece que ele vive num horário diferente do teu! Uou!

Caramba, já começamos na porrada! O que é muito apropriado porque hoje vamos falar de um assunto que sempre foi moleza, mas vou provar pra você que tá ficando incrivelmente complexo com o passar dos anos e a ajuda da miraculosa internet! Você tá careca de saber o que é uma canção né? Então olha o breque!

 

meme-445-la-vem-bomba

(isso foi preconceituoso?)

 

Como eu disse, o conceito de canção pode ser bem tranquilo de apreender. É aquela música que se canta, certo? Com letra e tal? Bom, sim e não! Dá uma olhada nisso aqui:

 

 

Já vou logo avisando que tenho uma  opinião meio polêmica sobre isso. Não quero desdenhar da peça (ela é bem bonita… E tal), mas pra mim isso aí não é exatamente uma canção não hein. Os livros dizem que canção é uma obra musical feita para ser cantada; onde a voz tem destaque, sendo acompanhada por outros instrumentos ou não. E eu concordo que essa peça tem tudo isso, mas parando pra pensar: você acha que faria muita diferença se em vez de 47 vozes de padres cantando, fossem 47 violoncelos, por exemplo?

Pois é.

O que eu quero dizer é que nesse caso eles quase não usam a principal característica que separa o instrumento “voz” de todos os outros; um pequeno detalhe que faz toda a diferença: a capacidade de criar fonemas! Letra, minha gente! Você pode argumentar que eles devem tá dizendo “Jesus” ou qualquer outra coisa religiosa, mas demoram tanto pra dizer, que os fonemas se perdem e logo logo você só tem as notas. Como qualquer outro instrumento.

Falei que ia ser polêmico. Então pra amenizar:

 

 

(Finalmente juntei Focus e Sá, Rodrix, e Guarabira num post só! Quem sacar a ligação é muito safo e tem meu eterno respeito!)

 

E aí? Canção ou não?

Nessa música do Focus não dá pra identificar uma letra no sentido estrito da palavra, mas os fonemas estão aí, e você pode reproduzir todos eles (o que eu recomendo porque é muito divertido). Por mais que nenhuma “palavra” esteja sendo dita, tudo que o vocalista canta foi previamente escolhido por alguma razão, e por isso, tem uma mensagem. Uma mensagem alucinada e esquizofrênica (adoro essa música), mas ainda assim, mensagem. Seguindo esse raciocínio podemos tentar reduzir o conceito de canção a duas premissas básicas: fonemas e mensagem.

Engraçado, tenho quase certeza de que essas premissas também se aplicam ao principal método de comunicação dos seres humanos!

 

 

Hermeto nunca é demais né? E é sempre genial. Eu queria ter usado esse vídeo no post sobre melodia, mas ele cabe perfeitamente aqui também. Segundo a definição que criamos agora há pouco, podemos dizer que o Hermeto está criando canções a partir da fala humana; ou ainda, que está transformando fala humana em canção. Ou talvez ele só esteja evidenciando a canção inerente em tudo que a gente fala!

Indo um pouco mais a fundo: o canto é mesmo tão diferente da fala?

 

 

O pessoal do Schmoyoho (accent on the yo!) ficou famoso mundialmente por criar canções a partir de vídeos engraçados no Youtube: entrevista, jornal, debate presidencial, horário político ou só alguém falando sozinho com a câmera mesmo; tudo é material pra canção! Você muito provavelmente sabe a “letra” inteira da Bed Intruder Song, não é? E o mais impressionante é que vendo os vídeos originais, é possível perceber que a música já tá toda lá! Só precisava de uma forcinha! É quase um esquema de curadoria, tanto no sentido musical quanto no da mensagem!

 Então vimos o Hermeto reproduzir a fala humana perfeitamente no teclado e o Schmoyoho escolher e alterar trechos da fala humana, criando um discurso, uma mensagem. Agora fique com a melhor canção do Youtube inteiro e veja se consegue perceber alguma relação:

 

 

Essa é simplesmente a coisa mais incrível da internet! O Youtube foi criado só pra que um dia o Mestre 3224 tivesse a sacação de alterar completamente a fala do Seu Madruga pra encaixar com a música do Anamanaguchi, e transformasse completamente o conceito de canção. Voz como instrumento principal? Confere. Fonemas ou Letra? Confere. Mensagem? Claro que confere! Sério, eu podia fazer um post inteiro só sobre essa música.

 

Talvez eu faça.

 

A internet é mesmo um milagre.

André Colares
Me chamo André Colares e sou formado em Música e Tecnologia pelo Conservatório Brasileiro de Música, no Rio de Janeiro; estudei orquestração e contraponto, bem como composição para tv e cinema. Trabalhei como arte-educador em música no setor educativo do CCBB do Rio de Janeiro e atualmente moro em São Paulo, onde curso a carreira de composição musical na Omid Academia de Áudio. Trabalho como compositor de trilhas sonoras e/ou sound designer para cinema, teatro e publicidade; mas principalmente vídeo games, que são minha maior paixão desde sempre. Musicalmente gosto de tudo e estou sempre inclinado a considerar qualquer manifestação musical como algo bom e de valor. Qualquer Manifestação Musical. Então pra mim não existe esse papo de música ruim, certo? Que bom que combinamos isso! Também sou mal-humorado, daltônico, magrelo e barbudo. Nessa ordem.

1 COMENTÁRIO

  1. André Colares, você é um excelente criador de trilhas sonoras, bom compositor, bom colunista e, com certeza, um ótimo professor… Não é apenas a música que te faz bem. Você também faz um bem danado a ela e a nós, por extensão… Sempre gostei de escutar suas trilhas e agora descubro que aprendo lendo o que você escreve. Ainda que dentro do universo no qual sempre pensei as canções, aprendi com você a vê-las de forma mais ampla, sem qualquer ranço preconceituoso. Bom demais, super grato pela atenção. Seu texto é enxuto e esclarecedor (e acabei descobrindo que Hermeto foi parceiro de Yves Montand). Valeu!!! Grande abraço…

DÊ SUA OPINIÃO