No dia 29 de Abril comemorou-se o Dia Internacional da Dança. Diversas festividades, espetáculos, workshops e mostras de dança aconteceram pelo Brasil e pelo mundo para celebrar este dia.

Mas o mais curioso é que muitos bailarinos celebram este dia sem saberem o porquê desta comemoração. Por que o Dia Internacional da Dança é comemorado em 29 de Abril?

Vamos à explicação!

Esta data foi criada em 1982, pelo Comitê Internacional da Dança da Organização das nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco). Ela   homenageia o mestre francês Jean-George Noverre (29/4/1727 – 1810).

Mas quem foi Jean-George Noverre?

Noverre
Noverre

Bailarino, professor e coreógrafo, Noverre foi uma personalidade que mudou os rumos da dança. Começou a dançar aos 14 anos como aluno de Louis Dupré, na Academia Francesa de Música e Dança que depois se tornaria a gloriosa Ópera de Paris. Se tornou amigo de Marie Sallé, uma de suas companheiras em ideias revolucionárias.

A maturidade de sua carreira começou quando passou alguns anos em Berlim, estudando, trabalhando e convivendo com grandes bailarinos. Quando voltou à Paris, assumiu a direção da Ópera-Comique e começou a criar inúmeros espetáculos de dança, que aos poucos o deixaram conhecido internacionalmente.

Ele ultrapassou os princípios gerais que norteavam a dança do seu tempo. A sua proposta era atribuir expressividade à dança através da pantomima, utilizando mãos braços e feições para, segundo ele, sensibilizar e emocionar. Ele também sugeriu a simplificação na execução dos passos e sutileza nos movimentos para uma ideal expressividade na interpretação da dança. Segundo suas concepções, a dança em ação é a forma de interpretar as ideias escritas na música com mais verdade ao executar os gestos na dança.

Noverre era conhecido por alguns como Sheakespeare da dança. Embora tivesse criado cerca de 150 ballets em Paris, Viena e Stuttgart, sua influência foi mais como reformador. O seu objetivo era libertar o corpo expressivo do bailarino de posições estereotipadas, de máscaras pesadas  e outras vestimentas que escondiam o corpo.

Nos tempos do rococó que ocultava belas formas com enfeites extravagantes, o livro Lettres sur la Danse at sur les Ballets (1760-1807) de Noverre, abriu uma era nova. Suas teorias de Ballet d’action e de movimento expressivo se difundiram pela Europa até São Petesburgo e ainda serviram ao Ballet Moderno posteriormente.

noverre_1760

Além de homenagear esta ilustre figura da história da dança, o Dia Internacional da Dança também objetiva chamar a atenção para a importância da dança na sociedade bem como exigir dos governos de todo o mundo que forneçam melhores políticas públicas voltadas para esta arte, que diz muito sobre a Humanidade sem precisar pronunciar uma só palavra!

 

 

 

Liana Vasconcelos
Bailarina formada pela Escola Estadual de Dança Maria Olenewa (Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro) e pela Royal Academy of Dance, de Londres. Conta em seu currículo com diversas premiações em concursos nacionais e internacionais. Ganhou, em 2009, o prêmio de melhor bailarina no Seminário de Dança de Brasília e foi agraciada com uma bolsa de estudos para o Conservatório de Dança de Viena. Pertenceu à Cia. Jovem de Ballet do Rio de Janeiro, São Paulo Companhia de Dança e se apresenta como bailarina convidada em diversos festivais de dança no Brasil. É Bacharel em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF), com a monografia “Memória da Dança: Importância, Registro, Preservação e Legado”. Fez parte do elenco da novela “Gabriela”, da Rede Globo de televisão como bailarina/atriz. Foi contratada pela São Paulo Companhia de Dança, como Pesquisadora, para elaborar duzentos verbetes relativos à dança no Rio de Janeiro, para a enciclopédia online “Dança em Rede”, criada por esta companhia. É também colunista de dança no Blog Radar da Produção É bailarina-intérprete e produtora, junto ao diretor Thiago Saldanha e a coreógrafa Regina Miranda, do projeto “Corpo da Cidade”, uma experimentação em vídeodança que busca dialogar o corpo dançante da bailarina clássica com as transformações urbanas que a cidade do Rio de Janeiro vem sofrendo. Atualmente, é bailarina contratada do Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro É apaixonada pelas artes cênicas, espectadora frequente dos teatros do Rio de Janeiro, ama viajar e vive em eterna dança.

DÊ SUA OPINIÃO