Talvez offtopic, mas talvez não tão off assim. Um post para pontuar um momento. O ponto de mutação pelo qual todos nós passamos diversas vezes pelo nosso caminho. É um tempo de virada de chave, do clic, do estalo, da consciência plena de que é preciso mudar. Quando essa certeza bate, não tem volta. Você sabe o que precisa fazer e não fazê-lo causa dores físicas, você adoece e há quem faça a ligação desse remoer interno com o desenvolvimento de um câncer. A visão holística do ser, que vemos na medicina chinesa e nas bases do Taoísmo, relaciona os eventos aparentemente diferentes em sua superficialidade, conectados em sua essência. Mas deixo o pensamento sistêmico para um outro post.

 

Só uma coisa não deve mudar: mudar sempre! Canso de ver meus amigos e colegas reclamarem do trabalho, da vizinha, da namorada, dos pais, da vida, só que continuam no mesmo lugar fazendo as mesmas coisas. E dizem: meu chefe é maluco, minha mãe é insuportável e por aí vai… Mas os verdadeiros malucos somos nós mesmos, porque você só pode mudar duas coisas: você mesmo e a sua própria vida. Einstein (sempre ele) disse algo incrível sobre isso: “Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”.

 

Claro que podemos influenciar transformações de pessoas e realidades, se eu não acreditasse nisso a vida para mim seria muito sem graça. O que digo é que a mudança é uma decisão pessoal, vitalícia e intransferível. Tenho essa mania de achar que tudo é possível, mas isso eu não quero mudar não. Nesse ponto um incrível exemplo que temos na biologia é a borboleta. O processo que de transformação que ela passa ao longo de sua vida é um dos mais radicais da natureza. Começando pelo ovo, depois lagarta, crisálida e por fim borboleta. Cada fase essencialmente diferente da outra, podendo levar mais de um ano até que ela se transforme enfim em borboleta.

 

Passo então para o fator motivador: Saturno, esse planeta é ele. Não vou entrar em grandes detalhes da astrologia, mas recentemente fiz meu mapa astral. Se eu acredito em astrologia? Não acho que astrologia é uma crença, mas o que acredito é que todo o processo de autoconhecimento é valido, não pela forma escolhida, mas pela sua atitude de buscar conhecer-se (inbox para quem quiser indicação do Cadu, astrólogo fantástico!).

 

Sagitariano convicto, com 4 planetas em nessa casa, ascendente em Escorpião e lua em Áries. (Não julga! rs). Venho aprendendo que nascemos para realizarmos quem somos e não seguir esse caminho é a formula da infelicidade. Por isso tão importante se conhecer e viver a sua vida,  já que você é a única pessoa que pode vivê-la. Perto dos 30 anos esse planeta volta ao local que estava no seu nascimento e muda tudo, faz você repensar tudo.

 

Olhando para esse meu processo faço um paralelo direto com nosso trabalho e vida. A física já diz que os corpos tem tendência a inércia.

 

No entanto a essência da inércia não é a existência ou não de movimento, mas constância deste. Um corpo parado está tão inerte quanto um corpo em movimento constante inalterado.  Quando o movimento é uniforme, não podemos distinguí-lo do estado de repouso. Novamente o gato mais fã de Newton da história das HQs:

 

Muitas vezes nos conformamos que não estamos inertes por estarmos fazendo várias coisas. Só que a sensação de estarmos parados permanece e aí cabe nos perguntar que coisas são essas. As mesmas? É aquilo que Einstein disse ali em cima, para mudar a resposta, é preciso mudar a pergunta.

 

E para sair da inércia é preciso energia cinética, a energia do movimento. E vida é um fluxo constante energias Yin e Yang, já mais parado. Então movimente-se! Seja a sua própria vida, sua rotina de trabalho, sua estratégia, sua equipe. Mude as decisões, troque as pessoas de lugar, transforme o lugar de trabalho… mudanças são positivas e trazem crescimento.

 

Para fechar, reproduzo aqui um trecho do que escrevi para meus colegas de trabalho em meu recente email de não-despedida do trabalho:

 

Sempre que lia aqueles e-mails intitulados “Até Logo” pensava o que eu escreveria quando chegasse a minha vez. Agora que chegou, resolvi que não quero me despedir, mas agradecer e celebrar a felicidade dos encontros! Também não estou saindo para assumir um novo desafio, mas para seguir o único desafio que nos foi colocado quando viemos ao mundo, que é viver plenamente.

 

Sejamos a metamorfose ambulante de Raul Seixas e mudemos sempre! De opinião, roupa,  ideia, pensamento, cabelo, trabalho, vida!

 

Inté!

Thiago Saldanha
Uma pessoa em processo. Todos os dias acordo com fome por informação e tento absorver o máximo que posso. Sinto-me um eterno aprendiz. Estou aproximadamente conectado 85% das horas em que estou acordado e pretendo equalizar ainda mais essa conta entre real e virtual... é preciso equilíbrio nessa vida. Na verdade sou meio fissurado por tecnologias e redes digitais, tanto que comprei meu primeiro celular ainda moleque, economizando dinheiro do lanche e da passagem, enquanto minha mãe achava o Teletrim um máximo. Falando em mãe, ela foi quem me levou para assistir a primeira programação cultural que tenho memória, um teatrinho infantil perto de casa. Anos depois, eu quem estava naquele mesmo palco. Mais um pouco e saí do palco, fui para a coxia e para a técnica. Na sequência a coordenação de palco, a produção e agora a gestão, mas não mais naquele palco e não mais com Teatro, mais ainda na cultura. Sou do mato, do mar e do ar. Meio viciado em adrenalina. Adoro cafés e cerveja. Sagitariano com ascendente em escorpião e quero mais sempre, não que isso signifique que quero muitas coisas. Como há escrito em alguns muros de algumas cidades: as melhores coisas da vida, não são coisas.