Esta semana me deparei com inúmeras reportagens sobre o poder de cura da dança, seja ele físico, psicológico, emocional ou motivacional. Nós que trabalhamos no âmbito profissional da dança, com toda a sua exigência e disciplina necessária, às vezes, esquecemos dos poderes ocultos desta arte, que estão disponíveis a qualquer um que esteja disposto à praticá-la! A dança, além da inquestionável melhora do condicionamento físico, estimula a criatividade, as conexões neurais e proporciona uma fantástica sensação de liberdade! É um remédio sem contraindicação!

A primeira matéria que li foi sobre como funciona a única escola de balé de Gaza, na Palestina. Cinquenta meninas, de cinco a oito anos, estão matriculadas no balé do Centro Al-Qattan for Children, em Gaza, sob o comando de uma instrutora ucraniana. Em meio ao caos e à destruição desse território palestino, que constantemente se vê envolvido em conflitos entre Israel e o Hamas, a escola é uma espécie de refúgio, um lugar de liberdade e paz, o que faz com que muitos pais fiquem ansiosos para que seus filhos possam fazer parte da instituição.

 

única escola de Balé em Gaza
única escola de Balé em Gaza

 

“O projeto é um sonho para muitas famílias”, diz Heyam Al-Hayek, responsável pelas atividades culturais do Qattan. “Queríamos ter aulas de balé, mas não conseguíamos encontrar professores. Foi difícil trazer um instrutor do exterior.”

A ideia começou com um projeto piloto no verão, sem saber quantos pais inscreveriam seus filhos, uma vez que o balé está longe de ser um passatempo comum para essas famílias muçulmanas. Rapidamente, 50 crianças, todas meninas, se registraram. Agora há uma lista de espera que passa de mais de cem inscritos. Para os pais dessas meninas, o balé se tornou a chance de preservar suas filhas do dia a dia e da realidade de Gaza.

escola gazaComo se fosse uma fuga ou uma oportunidade para experimentar o que antes só podia ser visto na TV, o balé faz com que a professora descreva muitas das alunas como “excelentes” e “meninas fortes”, com o desejo de ir mais longe. E com certeza irão, depois de tudo que aprenderão com esta arte!

Também nesta semana, vi nas redes sociais algo que me emocionou muito: a estudante de balé Gabi Shull, teve câncer e, infelizmente, teve sua perna direita amputada. Como a dança era uma de suas paixões, criaram uma prótese com uma sapatilha de ponta embutida, para que ela pudesse voltar a ter a sensação de estar flutuando na ponta dos pés e continuasse a exercer a sua arte. Uma iniciativa louvável!

Gabi Shull e sua prótese de ponta
Gabi Shull e sua prótese de ponta

Durante o nosso treinamento diário na companhia de dança reclamamos tanto de coisas tão bobas e dores leves, que ler uma reportagem desta é uma verdadeira lição de vida! Ser fraco é uma escolha… Gabi Shull preferiu enxergar o “copo meio cheio”.

E a última reportagem que li foi que cientistas do Laboratório de Psicologia da Dança, na Universidade de Cambridge, no Reino Unido, descobriram que os benefícios da dança incluem melhorias em pacientes com Mal de Parkinson, pois os movimentos são capazes de combater os efeitos mentais degenerativos que a doença causa. Os investigadores analisaram um grupo de pacientes durante três meses e constataram que as maneiras de improvisar as danças influenciavam nos pensamentos divergente (raciocínio estruturado) e convergente (busca de uma única solução para problemas). Em apenas 15 minutos de dança, já foi possível obter alterações positivas.

O projeto do English National Ballet com portadores do Mal de Parkinson
O projeto do English National Ballet com portadores do Mal de Parkinson

O English National Ballet criou  um programa de dança especial para portadores do Mal de Parkinson. Confira o vídeo explicativo, clicando aqui.

A dança salva. A cada dia tenho mais certeza disto. Então me despeço com este último texto de 2015, desejando muita dança e muita arte para o ano de 2016. Já que não podemos mudar algumas coisas tristes e injustas no mundo, que são alheias a nós, podemos ser livres e muito felizes com a dança e o movimento que vem do nosso coração!

 

FELIZ ANO NOVO!!!

feliz ano novo

 

Quer receber mais conteúdo? Cadastre-se no nosso Clube de Cultura
Liana Vasconcelos
Bailarina formada pela Escola Estadual de Dança Maria Olenewa (Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro) e pela Royal Academy of Dance, de Londres. Conta em seu currículo com diversas premiações em concursos nacionais e internacionais. Ganhou, em 2009, o prêmio de melhor bailarina no Seminário de Dança de Brasília e foi agraciada com uma bolsa de estudos para o Conservatório de Dança de Viena. Pertenceu à Cia. Jovem de Ballet do Rio de Janeiro, São Paulo Companhia de Dança e se apresenta como bailarina convidada em diversos festivais de dança no Brasil. É Bacharel em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF), com a monografia “Memória da Dança: Importância, Registro, Preservação e Legado”. Fez parte do elenco da novela “Gabriela”, da Rede Globo de televisão como bailarina/atriz. Foi contratada pela São Paulo Companhia de Dança, como Pesquisadora, para elaborar duzentos verbetes relativos à dança no Rio de Janeiro, para a enciclopédia online “Dança em Rede”, criada por esta companhia. É também colunista de dança no Blog Radar da Produção É bailarina-intérprete e produtora, junto ao diretor Thiago Saldanha e a coreógrafa Regina Miranda, do projeto “Corpo da Cidade”, uma experimentação em vídeodança que busca dialogar o corpo dançante da bailarina clássica com as transformações urbanas que a cidade do Rio de Janeiro vem sofrendo. Atualmente, é bailarina contratada do Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro É apaixonada pelas artes cênicas, espectadora frequente dos teatros do Rio de Janeiro, ama viajar e vive em eterna dança.

1 COMENTÁRIO

DÊ SUA OPINIÃO