Não há dúvidas de que 2015 foi o ano dos grandes lançamentos. Para os fãs de heróis em quadrinhos foi uma verdadeira ceia de Natal. Teve Ant-Man, Os Vingadores, Quarteto Fantástico, entre outros. Já as grandes franquias retornaram com novas produções como Jurrassic World, Exterminador do Futuro e Sexta-feira 13. Mad Max retornou em grande estilo, abriu o diálogo sobre os papéis femininos no cinema e ainda foi considerado pelos críticos o filme do ano.

Star Wars VII reabriu a saga e está levando os fãs à loucura. Sem falar nas grandes produções como Missão Impossível, Busca Implacável, Velozes e Furiosos e o fechamento da participação de Daniel Craig como James Bond em Spectre. Para os fãs da leitura, o cinema fechou e abriu sagas: Jogos Vorazes encerrou, mas 50 Tons de Cinza chegou. Sem contar na promessa de uma indicação a Que Horas Ela Volta? ao Oscar 2016, que foi por água abaixo. Enfim, 2015 foi um ano interessante para o cinema.

Paralelo a este mundo das grandes produções, remakes, franquias e adaptações de best-sellers há um outro com centenas de filmes que podem ter passado desapercebidos. Para fechar esse meu ano de TagCultural, vou indicar 5 filmes que você provavelmente não viu, mas que deveria ver antes de 2016 chegar.

1. The Lobster, de Yorgos Lanthimos

lob

Num futuro utópico, as pessoas precisam viver em casais. David (Colin Farrell) se separa de sua mulher e entra em retiro num hotel para encontrar o par perfeito. Este é o primeiro filme do diretor grego em língua inglesa e conta com um elenco espetacular, além de Colin, Rachel Weisz, John C. Reilly e Ben Whishaw. Uma comédia absurda que nos transporta à mediocridade dos relacionamentos. Numa narrativa cheia de surpresas e com um humor muito seco a la teatro brechtiano. Não espere um filme cheio de explicações e revelações, o mistério e tudo que não é esclarecido são os fatores que o tornam brilhante. Foi uma das minhas grandes surpresas em 2015.

2. Mistress America, Noah Baumbach

mistress america

Mais uma comédia em minha lista (este foi um ano bom pra elas). Tracy é uma caloura na universidade e tem dificuldades em interagir e integrar o universo estudantil. Sem amigos e sem se encaixar em qualquer grupo, ela recorre à sua futura “irmã” mais velha Brooke, uma jovem em seus vinte (quase trinta) anos de idade. Brooke é a auto-confiança em pessoa, uma mulher cheia de ideias e que se encaixa em todos os tipos de grupos. Tracy vive então uma aventura novaiorquina com essa futura irmã. Mais uma colaboração entre um dos diretores que mais tenho visto nos últimos tempos Noah Baumbach e a atriz/roteirista Greta Gerwig. Greta é uma atriz sem medo de parecer ridícula e foge dos padrões de boa menina. Uma nova voz às comédias e uma nova imagem de protagonismo.

3. Amizade Desfeita, Levan Gabriadze

0-unfriended-4a

Pode não ter tido boas críticas, uma má classificação no IMDB e ter sido ofuscado por Corrente do Mal, mas para mim foi uma grande aposta e uma nova forma de se fazer o horror. Como um longa do gênero não vai te deixar com as unhas roídas nem com medo de ir ao banheiro… mas é uma narrativa que surpreende ao usar o cyberbullying como tema. A trama é simples: um grupo de amigos é perseguido online por uma ameaça. Toda a história se passa durante uma conversa no Skype. Esse é o fator surpreendente. Conduzir toda a linha narrativa através do computador.

4. Cobain: Montage of Heck, Brett Morgan

montage

O ano de 2015 também foi produtivo para os documentários. Tivemos a produção do Netflix com What Happened, Miss Simone?, com o retorno de Lauryn Hill na trilha e produção. O documentário Amy emocionou os fãs, mas Cobain: Montage of Heck foi para mim o grande documentário do ano. O filme percorre a vida de Kurt Cobain, através das pessoas que tiveram contato com ele e com as suas memórias. Ao final, o mito do cantor rebelde é fragmentado em pedaços e os espectadores podem conhecer a real natureza de Kurt. O diretor não tem pudores em mostrar a verdadeira face de Kurt sem escolher um partido. Uma montagem crua e bem delicada do grande músico.

5. Beasts of no Nation, Cary Joji Fukunaga

maxresdefault

Não poderia faltar um filme do Netflix. Em 2015, eles se firmaram no meio audiovisual fornecendo produtos originais de qualidade e um feito inédito: House Of Cards foi indicado em premiações para TV. Uma mudança na atitude e no consumo do audiovisual. Beasts Of No Nation é um daqueles filmes que mostram a crueldade em tempos de guerra. Através de Agu, percorremos a dura realidade de crianças durante a guerra civil nigeriana. Com Idris Elba, que nos entrega mais uma interpretação impecável e um ponto de vista maduro para uma criança. A ação é feita através de Agu e uma narrativa em off do personagem, que conversa com Deus a todo o tempo.

Estes foram alguns dos filmes que me chamaram a atenção neste 2015. Fica a dica pra você que está por fora do cinema independente…

… e boas festas!

 

Quer receber mais conteúdo? Cadastre-se no nosso Clube de Cultura
Thais Nepomuceno
Fã efusiva do cineasta Alexander Payne, cultiva um sonho cinematográfico: um dia, John Cusack aparecer na janela de seu quarto, segurando um boombox no alto, tocando "In Your Eyes" (assim como no filme "Say Anything"). Thais Nepomuceno é produtora cultural, com especialização em cinema. Durante um ano estudou produção cinematográfica na ESTC em Lisboa, onde produziu o curta-metragem “Chronos” da diretora portuguesa Joana Peralta. Antes de sua formação no exterior, Thais já havia colaborado em sites de cinema, participado de curadorias em cineclubes e estagiado na TV Brasil. Foi quando dirigiu e produziu o curta-metragem "A View To A Kill - the Director's Cut". O filme já participou de festivais universitários e exibições em cineclubes. Esta pequena produção, com custo zero, feito a partir da colaboração de seus amigos é uma grande brincadeira com os clichês do terror adolescente; auto-definido como freshy trashy movie. Atuou na coordenação de pós-produção da TV Globo e agora está realizando seu mestrado em Formatos e Conteúdos Audiovisuais, na Universitat de Valencia (Espanha). E não fale mal do Leonardo Dicaprio perto dela.

DÊ SUA OPINIÃO