Nada melhor que o frescor dos começos.

No último fim de semana entramos numa nova estação, o outono. A época em que as folhas avermelham e caem, como se já estivessem maduras o suficiente pra ir pro mundo e deixar o que as prende pra trás. Mais ou menos como a gente faz quando percebe que não cabe mais onde sempre esteve. E isso não serve só pra quem se lança mundo afora como a Annanda nos mostra em suas colunas. Serve, também, pra gente como eu, que não cabia mais no emprego em que estava e tratou de inventar um pra chamar de seu. Foi num outono desses que eu escolhi que ia fazer meu próprio verão. E de 2012 pra cá, tenho buscado um lugar ao sol e um trabalho empolgante pra chamar de meu.

Nos últimos três anos, tratei de errar muito e acertar um pouco pra encontrar o meu caminho de tijolos amarelos. Tratei de estudar todos os dias o que era preciso pra alcançar aquele sonho que eu tinha desde o começo da vida profissional. E hoje estou aqui. Ainda aprendendo, ainda (e para sempre) estudando, ainda errando (e muito), mas começando a traçar minha nova estrada. Hoje eu acrescento mais uma competência ao meu LinkedIn da vida: colunista de empreendedorismo. Colunista sim, especialista ainda não. Mas como a vida é movida a sonho, um dia, quem sabe, eu não chegue, também, lá?

Mas vamos falar de coisa boa, vamos falar de empreendedorismo.

Nosso querido amigo dicionário Michaelis nos diz que:

Portanto, empreendedorismo é a busca por realizar algo novo. Engana-se quem pensa que empreendedor é só o cara que larga tudo e começa uma nova empresa. É possível empreender no seu local de trabalho (sim, aquele que te dá carteira assinada e décimo terceiro). Empreender, segundo o mesmo dicionário, é praticar, executar, realizar, fazer algo. É o que a gente chama de sair da zona de conforto. E isso pode ser feito de diversas maneiras. Porém, pra isso acontecer de forma organizada, precisamos passar por algumas etapas. Ao longo desta humilde coluna, mostrarei conceitos, cases e bons exemplos para cada etapa. Por hoje, trago quatro dicas importantíssimas que vão te ajudar a entender melhor como tudo isso funciona. Vamos a elas?

  1. Conheça a si mesmo

Que? Autoajuda? Não é nada disso (mas pode até ser, quem sabe). Autoconhecimento é a chave pra qualquer coisa nessa vida dar certo. Quando você se conhece bem, sabe exatamente como deve agir pra alcançar seus objetivos, o que te motiva, quais são os seus limites, de que maneira você vai resolver determinado problema, o que te tira do sério, qual caminho você tem que evitar. E assim por diante. Se você sabe direitinho quem é, o que deseja e como quer chegar lá, já começou muito bem!

  1. Acredite no seu sonho

Lembra quando você era criança e queria ser astronauta/bailarina/jogador de futebol/bombeiro/rock star? Você chegou lá? O que você fez pra conseguir? Ah, não conseguiu? O que te tirou do caminho pra ser o que você queria? Pois é. Acredite ou não, sonhar é preciso. Primeiro, porque o sonho é a força que move o mundo. Quem não sonha não tem perspectiva, não tem aquele comichãozinho toda manhã que faz levantar da cama num pulo e fazer de tudo pra conseguir aquela coisa que a gente tanto quer. O sonho é o primeiro passo. E quanto maior o sonho, mais motivação ele vai te dar. E quanto mais motivação você tiver, mais vontade vai ter de trabalhar. E quanto mais você trabalhar, mais perto vai estar de realizar seu sonho. E quando você realizar o primeiro, pode ter certeza de que vai querer sonhar cada vez mais.

  1. Nunca pare de estudar

Nunca – na sua vida – ache que você já sabe o suficiente. Porque né, quanto mais a gente aprende, mais tem coisa pra aprender. E quanto mais coisa a gente tem pra aprender, mais ricas ficam nossas conversas e mais vitórias conquistamos. Estudar é sempre preciso quando se fala de empreendedorismo. Estudar o mercado, estudar o nicho que você quer alcançar, estudar o ambiente em que você/sua empresa está inserida, estudar as novas tecnologias que surgem a todo momento e são ferramentas importantíssimas pro seu crescimento, estudar um novo idioma pra manter o cérebro funcionando. Estudar. Já dizia meu pai, seu Zé Werneck, “conhecimento não ocupa espaço”.

  1. Pense nos outros

Essa é fácil. Ninguém trabalha pra si. Nenhuma profissão que existe (pode pensar aí o quanto quiser e escrever nos comentários, se você souber) é para quem a executa. Tudo o que fazemos é para os outros. E quando nós percebemos isso, muitas portas se abrem. Quer um exemplo? Aqui mesmo, nosso TagCultural. Todos os colunistas que escrevem aqui pensam primeiro em você, caro leitor/cara leitora. No que você pode querer aprender. No que você está procurando. Nas informações que podemos oferecer a você. Nas suas demandas. Claro, nós mesmos aprendemos muito quando pesquisamos pra escrever nossas colunas, mas já parou pra pensar que, se não fosse por você (a pessoa do outro lado da tela) nós talvez nem estivéssemos fazendo tantas pesquisas? Não estaríamos aqui escrevendo se não existisse você aí do outro lado pra ler. Então tenha sempre em mente que o seu trabalho é pra servir a alguém, é pra suprir a necessidade de alguém, é para os outros.

E como eu gosto de cumprir as coisas que prometo, encerro com uma frase ~de efeito~ pra te fazer pensar.

 

[Meu objetivo é criar uma vida da qual eu não precise tirar férias. Rob Hill Sr]
Meu objetivo é criar uma vida da qual eu não precise tirar férias. Rob Hill Sr

Poster feito nesse site aqui.

Renata Coelho Soares de Mello
Produtora cultural. Fotógrafa. Metida a poetisa. Exploradora. Curiosa. Criativa. Renata é daquelas que faz tudoaomesmotempoagora. Uma de suas maiores paixões é cair no mundo. Aproveita suas viagens pra absorver outras culturas e aprender como as pessoas se relacionam com suas cidades. Formada em Produção Cultural pela UFF, atuou em diversos segmentos até descobrir que seu caminho era empreender. Hoje, pós-graduanda em Turismo na UFF (sua segunda casa), está à frente do projeto Explore Niterói e vai compartilhar um pouco das suas pesquisas sobre turismo cultural, cidades e pessoas. Prontos pra fazer as malas?

11 COMENTÁRIOS

  1. Adorei o texto. Excelente começo. Acho que você sintetizou com perfeição o conceito de empreendedorismo na sua acepção mais pura e mais ampla.

    Vou acompanhar a coluna com certeza. Doida para saber o próximo tema

  2. Mariana,
    Obrigada!
    A gente só percebe que sabe alguma coisa quando consegue passar adiante hehehe
    Que todas as pesquisas valham a pena ^^

    Uma vida que não precisa de férias (dela mesma) existe, mas exige esforço e dedicação. Só que não é tão difícil quanto parece hehehe a gente encontra quando acorda todo dia amando o que faz 🙂

  3. Parabéns pela coluna e obrigada por partilhar seu conhecimento rs Que a gente consiga alcançar essa vida em que não precisemos tirar férias! 😀 Já aguardo ansiosa o próximo texto! Enquanto isso… viva os sonhos, viva os estudos, viva, viva, viva! \o/

  4. Demais!!
    Lembrei do que a minha vizinha-amiga-tia-artista plástica sempre fala sobre "Nunca pare de estudar":
    "Quando eu estava na escola achava que sabia de tudo!
    Entrei pra faculdade me senti burra, pois vi que não sabia de nada, era um novo mundo!
    Tratei de fazer pós-graduação, mestrado, outra faculdade, viajei o mundo todo, conheci pessoas e ainda assim me sinto burra se deixar um dia de ler, estudar sobre qualquer assunto!"

DÊ SUA OPINIÃO